segunda-feira, 22 de abril de 2013

Pollyanna e seu jogo do contente

Da série de livros que muitos já leram, destaca-se Pollyanna com seu jogo do contente, mas como ficar feliz com tanta coisa ruim no mundo?!

"Pollyanna é um romance de Eleanor H. Porter, publicado em 1913 e considerado um clássico da literatura infanto-juvenil."

Mas como é possível ficar feliz hoje em dia? Eu esbanjo felicidade, mesmo triste, e a pergunta mais comum é "como você consegue ficar feliz com tudo?". Um belo dia minha mãe me deu os livros ai de cima, e eu já era toda sorridente assim sem nem conhecer Pollyanna e seu jogo, imagina depois, é um "já pensou se..." "sou tão feliz mãe" "você poderia ter morrido, fique feliz porque acordou" (minha mãe disse que eu vou escrever auto-ajuda, cruzes). E tem funcionado, diria certa amiga minha que eu trago tanta cor e sorriso por onde passo, e eu fico tão-tão feliz com isso, que mal cabe dentro de mim. Semana passada minha tia perdeu o celular e tava toda chateada, e eu bem rápido "pelo menos não roubaram, nem apontaram uma arma", e a resposta geralmente é "olhando por esse lado". Eleanor é uma musa da literatura agora para mim, e esses dois livros são a explicação de tudo que eu consigo ser, Pollyanna me ensinou esse jogo do contente, que eu já praticava sem conhecer, não deixem seus filhos viverem sem ler Pollyanna, e vocês também. E nossa menina nunca ensinou o segredo, e eu não posso ensinar o meu também, porque não existe segredo, é só dedicação 24 horas em uma coisa apenas, ver os pequenos prazeres da vida, as pequenas felicidades (não tem parceria com o Botõezinhos). E eu deixo esse lindo post nessa linda segunda-feira em que estou tão-tão feliz para dividir toda essa alegria.

"Os prazeres são mais intensos onde parecem não existir. Não há uma folha que caia no solo que não tenha uma alegria de silêncio ou de som..." (Pollyanna Moça - Eleanor H Porter)
"Bom, aí é que está o bonito da história... Ficar contente mesmo quando não há motivo." (Pollyanna - Eleanor H Porter)

16 comentários:

  1. Amo os livros da Pollyanna e sou fã do jogo do contente, apesar de não conseguir jogá-lo sempre!
    Beijos!

    www.asosmamaenadia.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Bom, aí é que está o bonito da história... Ficar contente mesmo quando não há motivo." Nem sempre é possível, mas a gente tá na luta, jogando! Beijos

      Excluir
  2. Joanne, você anda desenterrando (pra mim), coisas que passaram por minha infância e que amei... Lendo seu texto me veio a ideia de não deixar de apresentar Pollyanna à minha Maria... Grande ideia.

    Eu adorava os livros de Pollyana.. A capa era outra... O seu é uma nova edição... Depois te mostro, quem sabe num post complementar ao seu no meu Bolhinhas...

    Acho que o jogo do contente é um exercício e um vício.. E um vício maravilhoso que esquecemos hoje em dia com essa vida tão atribulada, cheia de correrias e dores de cabeça...

    Vendo você, uma garota de 13 anos falando (quase 14 não é?), voltou toda a pureza do livro e alegria..

    Sabia que lia Pollyanna pra minha mãe enquanto ela fazia almoço?Li todinho... Ô riqueza..

    Obrigada por me lembrar dela. Será o próximo livro pra minha pequena.. É um aprendizado enorme ler Pollyanna... e ensinar para nossos pequeninos toda essa alegria simples e sem motivo..

    Que bom que você é assim!!! :o)

    Beijos minha querida e obrigada pela visita no Bolhinhas de Sabão no post de hoje...

    Fique com Deus..

    22 de abril de 2013 12:25

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eba! Que ela aprenda o joguinho do contente. Beijão, fica com Deus.

      Excluir
  3. Isabelle! As suas palavras irradiam alegria. E felicidade é questão de escolha. Valorizar o simples sempre nos deixa felizes. Afinal, temos sempre pelo que agradecer. Lindo post. Beijo!

    ResponderExcluir
  4. Que delícia de post Isabelle! Você tão alegre!

    Beijo e muito obrigada pelo comentário, ajudou muito!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pensamentos felizes fazem a gente voar! Beijos

      Excluir
  5. Amei! Não conhecia. Vou procurar conhecer mais e, quem sabe, até comprar para ler com a família. Valeu Belle! Vc é show! Quando eu crescer quero ser como vc!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não conhecia Fran?! Eu que quero ser como você. Amo tu tatu, morrendo de saudades.

      Excluir
  6. Oi, Isabelle! Adoro Pollyanna! E não conhecia essa versão "moça", vou atrás dela! bjo!

    ResponderExcluir
  7. Oi Isabelle! Vim aqui conhecer o seu espaço depois que você passou lá pelo blog. Adorei! Que delícia de ler suas postagens! Sei que você está longe de casa e que a saudade aperta forte, e aqui comigo também é assim com a minha família lá no Brasil. Lembre-se que o Senhor é contigo!
    Eu também já li Pollyanna (os dois) e gostei muito.
    Um grande abraço e uma ótima semana para você!
    Pati
    http://www.patitando.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amém Pati! Pollyanna é mesmo um amor. Ótima semana

      Excluir
  8. Ha,ha, tenho que ler este livro.

    Obrigada por suas palavras no post de despedida do Verdades de Mãe.
    Acabei de privatiza-lo, e acredito que fará muita falta. Vou ficar mais distante de gente especial.
    Estou triste...

    bjus

    http://feitocomcarinhodemae.blogspot.com

    ResponderExcluir